05/01/2010

Prefeitas ilusões



A esperança de um punhado de areia se puder transformar numa solida rocha caiu no momento em que a grande e revolta onda morreu em espuma ,naquela deserta praia.
Os castelos que outrora construi ainda sobrevivem ao tempestuoso mar,mas não saberei até quando.
Olho o horizonte e pergunto-me se um dia ainda voltarás...
Serás sempre e sempre um sonho que se tranpôs para a realidade um dia um breve dia...
De joelhos nesta praia não me canso de construir... Castelos de areia.
Por vezes as mãos ficam feridas e cansadas mas conduzidas por este pensamento meu,continuam elevando este castelo....solitário.
Castelo este onde habita a esperança e a vontade de te trazer para perto de mim,castelo este que criado em torno de um sonho um dia irá ruir...
Castelo de areia fragil e demente de tudo o que é presente.
Castelo efémero onde prenoito e me choro por te esperar...
Castelo desfeito porem jamais prefeito.
Castelo meu, que tornaria nosso, no prefeito momento que regressasses e comigo caminhasses ao longo deste praia apenas apreciando estas belas construcões e prefeitas ilusões....

3 comentários:

Andreia disse...

É incrível como tudo se constrói ao pouquinhos... *

Edu disse...

La tas tu com essa palavra que eu tanto detesto.

Abstrata disse...

As coisas efêmeras
as ilusões

beijos abstratos